Unidades de conservação é o diferencial no turismo brasileiro

Apontadas como um dos principais diferencias do Brasil em relação aos demais destinos turísticos internacionais, as unidades de conservação registraram um salto de 20% no número de visitantes em 2017 na comparação com o ano anterior. De acordo com dados apresentados em primeira mão pelo presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, 10,73 milhões de pessoas visitaram atrativos naturais sob a gestão do instituto.
“Temos um enorme potencial a desenvolver nessa área. Somos considerados o número um do mundo em atrativos naturais e precisamos explorar melhor esse nosso diferencial sempre de forma sustentável”, comentou o ministro do Turismo, Marx Beltrão. De acordo com o estudo de competitividade no turismo do Fórum Econômico Mundial, entre 136 países avaliados, o Brasil ocupa a primeira colocação no quesito atrativos natural.
“É preciso entender que, para desenvolver o turismo nas unidades de conservação, precisamos primeiro criar condições de o turista chegar até elas por meio de estradas e aeroportos, mas nem sempre temos essa infraestrutura”, afirmou Ricardo Soavinski. O presidente do ICMBio sustentou que a entidade tem se fortalecido e a criação de um fundo com recursos de compensações ambientais criado por Medida Provisória vai ajudar na estruturação e abertura dos parques. Atualmente, o ICMBio estuda a viabilidade de concessões dos serviços públicos em 18 parques nacionais.
Para Pedro Passos, presidente do Conselho de Administração da Natura e fundador do Semeia, apesar de ter registrado aumento nas visitações das unidades de conservação, o Brasil precisa avançar muito mais. “Enquanto agora passamos dos 10 milhões de visitantes, os EUA registram mais de 300 milhões”, comentou Pedro Passos.(#Envolverde)

O post Unidades de conservação é o diferencial no turismo brasileiro apareceu primeiro em Envolverde – Revista Digital.

Veja a Fonte da matéria

escrito por

O autor não acrescentou qualquer informação a seu perfil ainda.
Related Posts

Os comentários estão fechados.

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!
©
Pryzant Deisgn