Moradores da região com mais água doce do planeta encontram solução coletiva para ter abastecimento em casas e escolas

por Patrícia Kalil* — especial para Rede Mocoronga –  Eles colocam a mão na massa para fazer a captação e distribuição de água encanada para 2500 famílias através de microssistemas de gestão comunitária  Já são 140km de encanamento hidráulico subterrâneo cavado em mutirões pelos moradores da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, levando água potável para casas, escolas e centros comunitários. Sem poder mais esperar que o Estado resolva o déficit de acesso à água em comunidades rurais da Amazônia, os moradores da Resex estão, de forma participativa, empenhados na busca de soluções coletivas de abastecimento que são de baixo custo, atendam com eficiência a demanda local e possam ser facilmente replicadas nos vilarejos da região.   Ao longo dos últimos 20 anos, com apoio técnico do Projeto Saúde e Alegria (PSA), metade das vilas dessa reserva nacional mapearam as casas de quase 2500 famílias. Como as comunidades são em áreas de difícil acesso e distantes umas das outras, no lugar de partirem para um sistema centralizado de abastecimento, a visão foi descentralizar para tornar a gestão e sustenção comunitária possível. Já são 38 microssistemas independentes e com autogestão, feitos com a participação e controle dos moradores, com total transparência na administração de recursos e na prestação do serviço.   Em 38 das 74 comunidades, grupos perfuraram poços e construíram o elevado para sustentar a grande caixa d’água. Enquanto os poços eram feitos com ajuda técnica, outros moradores, também acompanhados por especialistas, cavaram redes de distribuição para levar água tratada de porta em porta, além das escolas e postos de saúde. Ao fim da etapa, todos conheciam em detalhes o funcionamento da rede local. Durante esse processo de construção e aprendizado coletivo, criaram regulamentos de uso próprios, elegeram comitês gestores e definiram metas de qualidade do serviço. A partir de planejamento e planilhas transparentes discutidas em reuniões, usuários pagam em média 10 reais mensais pela água. No custo está o salário dos comunitários responsáveis pela bomba, pela manutenção da rede, pela administração, pelo motorista e pela compra dos materiais necessários para a operação do sistema. Sabem exatamente para onde vai o dinheiro e conseguem até guardar uma reserva para imprevistos. É o caso da aldeia de Solimões, que no ano passado foi a primeira a construir um sistema de bombeamento com uma tecnologia flexível, conseguido nos meses de verão usar exclusivamente energia solar, dispensando a compra de combustível. No primeiro semestre de 2017, é a vez de três outras comunidades terem seus microssistemas: Cabeceira do Amorim, Pajurá e Anumã. Com patrocínio da Fundación Avina e Xyleen, o programa oferece os materiais para a construção e cada comunidade entra com a realização, a operação, a manutenção e a gestão coletiva. O engajamento e participação dos moradores reduz drasticamente o custo da obra. Além disso, o controle social e a transparência da gestão fazem com que as coisas sejam feitas como planejadas, sem os “custos adicionais” tão frequentes em obras infraestruturais pelo país. Para se ter ideia do que isso significa na prática, com aproxidamente R$ 330 […]

O post Moradores da região com mais água doce do planeta encontram solução coletiva para ter abastecimento em casas e escolas apareceu primeiro em Envolverde – Revista Digital.

Leia mais

Ministro culpa gestão passada e diz que desmatamento deve ser revertido

O ministro do Meio Ambiente, Zequinha Sarney, responsabilizou neste sábado (24) o governo da ex-presidente Dilma Rousseff pelo recente salto no desmatamento na Amazônia e disse que a tendência é de uma reversão da atual curva ascendente.
Leia mai…

Leia mais

15 dead, scores missing hours after landslide buries Chinese village

BEIJING (Reuters) – Fifteen people were killed in a landslide in southwest China’s Sichuan Province on Saturday and about 100 were believed to be still buried in the debris and feared dead, state media said.

Leia mais

France’s Macron to back push for global environment rights pact

PARIS (Reuters) – French President Emmanuel Macron promised on Saturday to play an active role in a campaign aimed at securing a global pact to protect the human right to a clean and healthy environment.

Leia mais

Macron s’engage à défendre le projet de « pacte mondial pour l’environnement »

« Je m’engage non pas simplement à venir faire un discours (…) mais à agir », a dit le chef de l’Etat, samedi, en clôture de la conférence.

Leia mais

L’arrivée à Berlin de deux pandas géants très « diplomatiques »

L’emménagement à Berlin de ces deux animaux constitue un nouvel épisode de la « diplomatie des pandas » instaurée par la Chine.

Leia mais

Déforestation au Brésil : l’opération « greenwashing » de Michel Temer fait long feu

Des zones préservées de l’Amazonie sont menacées par le gouvernement, qui veut autoriser les activités minières ou agricoles.

Leia mais

Na Noruega, religiosos e indígenas discutem aliança para salvar florestas

Uma aliança entre religiões e povos indígenas para preservar as florestas. Essa é a proposta do encontro inédito que reuniu, na Noruega, representantes das principais crenças e de povos como os pigmeus africanos e etnias indígenas sul-americana…

Leia mais

Governo adia plano de construir usinas hidrelétricas no Rio Negro

Autorizações para estudos de viabilidade de barragens em região preservada da Amazônia foram canceladas O plano de erguer usinas hidrelétricas no Alto Rio Negro, em uma das regiões mais remotas e preservadas da Amazônia, foi adiado pelo governo.  No início deste mês, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), responsável pelo planejamento do setor elétrico, pediu […]

Leia mais

Intervenções governamentais contra degradação ambiental na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador

Segundo estudo, intervenções governamentais contra degradação ambiental são paliativas e não desafiam interesses econômicos. As políticas ambientais pensadas para a Amazônia são paliativas e as políticas de cunho desenvolvimentistas favorecem mais aos grupos econômicos externos à região do que aos amazônidas. É isso que afirma o pesquisador Michel Cantagalo, autor de uma tese de doutorado […]

Leia mais

Climat  : une étudiante en droit attaque en justice le gouvernement néo-zélandais

Sarah Thomson accuse la vice-première ministre chargée de l’environnement d’« inaction » face au réchauffement climatique. Un procès doit s’ouvrir lundi 26 juin.

Leia mais

L’EPR britannique d’EDF déjà sous haute pression

Le projet de centrale nucléaire d’Hinkley Point prend déjà du retard. Un dérapage chiffré entre 1  milliard et 3 milliards d’euros.

Leia mais
©
Pryzant Deisgn