Arara se recupera de ferimentos após ser apedrejada com estilingue em MT

Animal não consegue voar e está recebendo atendimento veterinário. Moradores da Gleba do Rio Vermelho disseram que homem apedrejou ave.

Ave foi resgatada depois de sofrer maus-tratos (Foto: Reprodução/TVCA)

Uma arara da espécie canindé foi resgatada por fiscais da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, na Gleba do Rio Vermelho, em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, no último domingo (18), após sofrer maus-tratos.  Segundo os moradores da região, a arara ficou ferida após ter sido apedrejada no dia anterior por um morador com um estilingue.  A ave deve passar por exames e devolvida à natureza em 15 dias.

O suspeito de apedrejar o animal, no entanto, ainda não foi encontrado.  A arara consegue bater as asas, mas não consegue alçar voo.  Por isso, deve permanecer na base da Polícia Ambiental de Rondonópolis, até a recuperação.  No local, há um espaço onde já tem outra arara, também vítima de maus-tratos.

Dengosa, como é chamada a outra arara dessa mesma espécie, foi resgatada há dois anos e depois de ter sido solta retornou para a Base da Policia Militar de Proteção Ambiental, onde vive atualmente.

Em caso de maus-tratos ou suspeita de maus-tratos e outros crimes ambientais, o major Vinicius Salustiano, da Polícia Ambiental, orienta os moradores a avisar a Polícia Ambiental. “Pedimos que se alguém ver um animal sendo agredido que ligue para nós, para resgatarmos o animal e prender o agressor”, explicou.

Quem for preso agredindo algum animal, pode ser multado em no mínimo R$ 300, dependendo do dano que causar ao animal, ou até pegar uma pena de detenção que pode variar de três meses a um ano, de acordo com a Lei Nº 9.605. Segundo a Polícia Militar, 134 animais silvestres de espécies variadas foram entregues voluntariamente ou resgatadas em Rondonópolis neste ano.

Fonte: G1

Veja a Fonte da matéria

escrito por

O autor não acrescentou qualquer informação a seu perfil ainda.
Related Posts

Os comentários estão fechados.

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!
©
Pryzant Deisgn